Obama sobe tom contra regime sírio

Rebeldes sírios carregam civil que teria sido atingido por franco-atirador nesta segunda-feira (20) na cidade síria de Aleppo (Foto: AFP)

Presidente dos EUA acenou com possibilidade de intervenção militar.
Jornalista japonesa morreu em Aleppo, e três repórteres estão sumidos.

Os Estados Unidos avisaram nesta segunda-feira (20) que podem intervir militarmente na Síria se forem deslocadas ou utilizadas armas químicas no país, onde uma jornalista japonesa foi morta em Aleppo e outros três repórteres, dois árabes e um turco, estão desaparecidos.

Obama explicou que até agora não ordenou uma intervenção militar, mas advertiu que os Estados Unidos estão “monitorando a situação cuidadosamente” e elaboraram diversos planos de contingência.

“Pode haver enormes consequências se começarmos a observar a movimentação ou o uso de armas químicas (…). Isso mudaria meus cálculos significativamente”, disse.

“Comunicamos em termos firmes a todos os atores na região que isto (o uso de armas químicas) é a linha vermelha para nós e que pode haver enormes consequências”, disse o presidente.

Em Paris, o presidente francês, François Hollande, considerou nesta segunda-feira que “não pode haver solução política se Bashar al-Assad não deixar” o poder na Síria, durante um encontro com o novo enviado especial da ONU e da Liga Árabe, Lakhdar Brahimi.

Na véspera, o diplomata argelino não quis se posicionar sobre esse ponto e afirmou: “Precisamos acabar com a guerra civil e isto não será simples”.

O regime de Damasco respondeu, indicando que essas declarações são “contrárias à realidade” e que “o que há no terreno são crimes terroristas contra o povo sírio praticados por grupos armados salafistas apoiados por países conhecidos”.

O governo de Bashar al-Assad acusa a Arábia Saudita e o Qatar de fornecer armas aos rebeldes, apoiados também por agentes secretos americanos, britânicos e alemães, segundo as imprensas da Alemanha e do Reino Unido.

No terreno, a festa muçulmana do Eid el Fitr, que começou no domingo e durante três dias celebrará o final do Ramadã, foi ofuscada pelos combates em Aleppo (355 km ao norte de Damasco), onde uma jornalista japonesa foi morta, e na própria capital.

Segundo um registro do Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), nesta segunda-feira morreram pelo menos 131 pessoas, entre elas 57 civis, 37 soldados e 37 rebeldes.

Japonesa morta
Uma jornalista japonesa foi morta nesta segunda-feira quando cobria os confrontos em Aleppo, enquanto dois repórteres árabes e um terceiro turco foram considerados desaparecidos nesta cidades, indicou o OSDH.

A jornalista japonesa foi morta em Sleiemane al-Halabi, bairro do leste de Aleppo onde violentos combates eclodiram nesta manhã entre tropas do governo e rebeldes. A ONG, com sede na Grã-Bretanha, informou apenas que um dos dois repórteres árabes é uma libanesa e o outro é um jornalista árabe que trabalha para uma empresa americana.

Exatamente um mês depois do início da batalha de Aleppo, os rebeldes levaram nesta segunda-feira os combates para o centro da cidade, enfrentando o Exército próximo ao tribunal militar e à sede do partido governante Baath, dois símbolos do regime de Assad, segundo o OSDH.

Um comandante do Exército Sírio Livre, formado por desertores e civis armados, afirmou à AFP que os rebeldes “entraram e tomaram o controle” de setores centrais, como são Al-Tilal, Al-Maadi e Jdaidé.

Já na capital, eclodiram enfrentamentos em bairros do leste e do sul, hostis ao regime, como Joubar (leste) e Tadamoun (sul), segundo o OSDH.

E no sul do país, a cidade de Herak, onde insurgentes se entrincheiraram, enfrenta uma situação humanitária catastrófica, já que não recebe alimentos e medicamentos, segundo o Conselho Nacional Sírio (CNS), principal coalizão opositora.

A arma financeira O ministro francês das Relações Exteriores, Laurent Fabius, declarou nesta segunda-feira de manhã a uma rádio que o conflito custa a Damasco 1 bilhão de euros por mês e que a via financeira pode ser uma arma eficaz para “estrangular” o regime.

“Cada vez tem menos reservas. Consideramos que resta apenas alguns meses, a não ser que receba ajuda da Rússia e do Irã. É por isso que é preciso falar pelo menos com a Rússia”, um dos principais aliados de Damasco, acrescentou.

Enquanto os bombardeios ganham intensidade no norte da Síria e provocam a fuga de milhares de pessoas para a Turquia, Ancara advertiu nesta segunda que o país, que recebe atualmente 70 mil refugiados sírios, não pode aceitar mais de 100 mil.

 

Fonte: G1

Comentários

Comentários

Mostre mais

Berg Pinheiro

Cearense nascido em Senado Pompeu no Ceará em 1988,foi radialista atualmente editor do Site Ceará Noticia.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios