Reajuste da energia fará inflação cair

Ministro das telecomunicações declarou que a redução do preço da energia representará queda na inflação

A redução de até 16,2%, em média, do preço da energia para os consumidores, e de até 28% para a indústria, representará uma queda na inflação e crescimento econômico, segundo o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo. A declaração foi dada à imprensa ontem sobre a redução anunciada na quinta-feira à noite, pela presidente Dilma Rousseff,

“Redução de tarifa de energia mais mercado consumidor interno têm um forte potencial de crescimento”, disse o ministro, que participou do desfile das comemorações da Independência, em Brasília. A ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, confirmou que o anúncio do plano que reduzirá as tarifas de energia será feito na próxima terça-feira, pela presidente Dilma Rousseff, que também assistiu ao desfile em homenagem à Independência, na Esplanada dos Ministérios.

 

Competitividade

A redução da tarifa de energia elétrica é um passo importante para diminuir o custo Brasil, aumentar a competitividade da indústria e favorecer o crescimento da economia brasileira, avalia a Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Em nota, a CNI ressalta que a energia é um dos principais insumos da indústria. “A decisão do governo vai alterar a estrutura de custos das empresas e pode fazer com que a energia elétrica volte a ser uma vantagem competitiva do setor produtivo”.

Segundo a Confederação, atualmente, sem a redução anunciada pela presidente, o custo médio da tarifa de energia elétrica para a indústria no Brasil é de R$ 330 por megawatt/hora, o quarto valor mais alto do mundo, atrás apenas do cobrado na Itália, na Turquia e na República Tcheca. “A tarifa no Brasil é o triplo da dos Estados Unidos e do Canadá e o dobro da cobrada na China, Coreia do Sul e França”, destaca.

 

A CNI ressalta ainda que quase metade da tarifa brasileira é formada por encargos e tributos.

No entanto, mesmo se a redução da tarifa de energia elétrica para as indústrias for de 28%, no teto da faixa anunciada pela presidente Dilma Rousseff, o preço no Brasil continuará acima da média mundial, de acordo com o presidente da Associação Nacional dos Consumidores de Energia (Anace), Carlos Faria. Segundo ele, os preços de energia precisariam cair 35% para ficar na média mundial.

O corte de 35% também faz parte de um estudo da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), apresentado no início de agosto. De acordo com a Firjan o custo médio da energia no Brasil, com base no mercado cativo é de R$ 329 o megawatt-hora (MWh), ante uma média mundial de R$ 215,5 o Mwh.

Faria pondera que a redução da energia elétrica pode trazer problemas se for vinculada à renovação das concessões que estão para vencer. “Estes ativos que terão suas concessões renovadas já estão depreciados e se tiverem seus preços reduzidos de forma aleatória podem ser prejudicados, o que vai acabar afetando o consumidor final”, disse.

 

O executivo acredita que as medidas podem limitar ainda mais a participação do mercado livre de energia.

 

Por quê


ENTENDA A NOTÍCIA

 

A energia é um dos insumos mais importantes para as indústrias e influencia diretamente nos seus preços. A inflação para os consumidores também sofre o impacto da elevação ou redução da energia.

 

Fonte: OpovoOnline

Comentários

Comentários

Tags
Mostre mais

Berg Pinheiro

Cearense nascido em Senado Pompeu no Ceará em 1988,foi radialista atualmente editor do Site Ceará Noticia.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios