Os Mercenários 2: divertido e sem sentido

“Os Mercenários 2” diverte com as piadas que os velhos ídolos do cinema de ação fazem de si mesmos

Cinema é a maior diversão. A frase, criada pelo cearense Luis Severiano Ribeiro (1886-1974), fundador do Grupo Cinemas Severiano Ribeiro, expressa o caráter de entretenimento e lazer que o Cinema deve ter. Há quem não concorde, mas Hollywood e muita gente que faz filmes não dão a menor bola para isso.

A ideia de Sylvester Stallone em reunir os “astros” dos filmes de ação foi uma grande sacada: segundo longa da franquia já arrecadou mais de US$ 170 milhões

O cinema, não há a menor dúvida, é diversão – mas também é arte. A própria produção de um filme é um trabalho de arte, por pior que seja o seu resultado, na tela e junto ao público, cuja grande maioria também vai ao cinema para se divertir e trocar a realidade e os problemas do mundo pelo tempo de duração do filme. Os filmes de ação e aventura são os preferidos do público por oferecem, justamente, o prato feito: explosões, tiroteios e perseguições. Às vezes, recheado por um toque de romance aqui e acolá – tipo uma baião de dois quase sem feijão.

“Os Mercenários 2”, de Simon Wincer, revela-se o típico representante desse cinema de entretenimento, a ponto da crítica internacional colocá-lo quase que a um nível de “Missão Impossível 4 – Protocolo Fantasma”, o segundo melhor filme de ação feito nos últimos anos.

Confira o trailer de “Os Mercenários”

Embora não tenha a qualidade da aventura estrelada por Tom Cruise, “Os Mercenários 2” é um espetáculo popular bem- sucedido em sua proposta de “cinema diversão” e no fato de dividir a sua ação – desenvolvida numa história absurda e sem sentido – com a ironia destilada nos diálogos que marcam a sua narrativa do início ao fim. Foi este o método utilizado por Joss Whedon – em uma história inteligente – para transformar “Os Vingadores” no melhor filme de ação do ano 2000 para cá.

A ideia de Sylvester Stallone em reunir os “astros” dos filmes de ação e aventura foi uma grande sacada. Embora o primeiro filme não tenha obtido a devida atenção do público – custou US$ 80 milhões e faturou US$ 103 milhões nos EUA e mais US$ 171 milhões no mercado internacional -, serviu para mostrar que a ideia poderia obter um melhor tratamento através de um roteiro um pouco mais bem elaborado.

Stallone e Dave Callahan (que foi o criador dos personagens) receberam uma história criada pela trinca Ken Kaufman (Cowboys do Espaço), o estreante David August e Richard Wenk (Assassino a Preço Fixo) e deram alguns “ajustes”. Claro, a base dessa história é do primeiro filme e a premissa tinha de ser mantida.

Mas, agora, o que diferencia as duas produções é justamente o melhor tratamento do roteiro, embora praticamente sem dramaticidade, a qual tem como o fio condutor a morte do garoto Billy (chamado de Billy the Kid, referência ao jovem pistoleiro do Oeste estadunidense e personagem de diversos filmes), que direciona a história para a temática da vingança.

“Os Mercenários 2” custou US$ 100 milhões e além das filmagens no Estado da Louisiana, locações na Bulgária e China. Ou seja, teve uma produção mais bem cuidada, cujo resultado está se expressando nos números obtidos até agora: US$ 69,6 milhões nos EUA e mais US$ 102,4 milhões no mercado internacional. Com US$ 172 milhões em caixa, precisa, portanto, de mais de 85 milhões de dólares para empatar com a bilheteria do primeiro filme.

A boa receptividade da crítica e do público a “Os Mercenários 2” advém não apenas pelo “desfile” dos atores que se tornaram ídolos das plateias no século passado, mas principalmente pelos diálogos irônicos e irreverentes com os quais tratam uns aos outros. Chuck Norris, 72, foi McQuade, “O Lobo Solitário” (1983) no filme dirigido por Steve Carver, Arnold Schwarzenegger é ameaçado de ser exterminado logo no início e promete retornar com a frase que virou bordão, e Dolph Lundgren, engenheiro químico com mestrado pelo Instituto de Tecnologia da Suécia, é ironizado como gênio da ciência ao longo de todo o filme.

Os diálogos proporcionam, também, boas risadas com referências a filmes e aspectos ligados aos personagens dos atores e até de alguns fatos ligados às suas formações e personalidades, além de ter as cenas de ação claramente exageradas. A violência, assim, soa ridícula.

No final das contas, “Os Mercenários” se posta mesmo é como um produto de recordação feito com a intenção de promover o reencontro do grande público com os seus ídolos do passado, mesmo que estejam além dos 60, 70 anos. Não interessa. Eles, todos, estão em forma e ainda garantindo que valem o preço do ingresso.

Vale a pena destacar que, na tela, quatro “astros” dão o toque de equilíbrio em seus rasos personagens: Jason Statham, Jean Claude Van Damme, Sylvester Stallone e Chuck Norris. Além de, é claro, Liam Hemsworth. Quanto a Simon Wincer, o diretor, apenas conduz a história conforme estabelecido no roteiro – um esforçado maquinista com a missão de não deixar o trem sair dos trilhos.

“Os Mercenários 2” é, portanto, um filme feito exclusivamente para referendar que o cinema é a maior diversão. Não dê importância para a estupidez da história e se ligue nas piadas irônicas e inteligentes.

Mais informações:
Os Mercenários 2(The Expendables 2, EUA, 2012), de Simon Wincer, com Sylvester Stallone, Jason Statham, Chuck Norris, Arnold Schwarzenegger, Dolph Lundgren e Jean Claude Van Damme. 102 minutos. 16 anos. Cinemas e horários no caderno Zoeira

PEDRO MARTINS FREIRE
CRÍTICO DE CINEMA

Fonte: Diário do Nordeste

 

Comentários

Comentários

Mostre mais

Berg Pinheiro

Cearense nascido em Senado Pompeu no Ceará em 1988,foi radialista atualmente editor do Site Ceará Noticia.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Veja Também

Fechar
Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios